domingo , 8 dezembro 2019
Capa » Artigos Técnicos » Com o aumento das alergias, como garantir a segurança de cosméticos desenvolvidos para o público infantil?

Com o aumento das alergias, como garantir a segurança de cosméticos desenvolvidos para o público infantil?

Dra. Maria Inês Harris, especialista na avaliação de segurança de cosméticos, explica como um produto de uso infantil pode ser testado e lançado no mercado.

Em 2018, a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) divulgou um estudo que indica que todos os tipos de alergia tiveram aumento, e que as crianças são as que apresentam este quadro clínico com maior frequência. Estima-se que 20% das crianças do mundo tenham algum tipo de alergia.

“Dentro de um contexto amplo de alergias, os cosméticos estão entre as principais causas, e ela pode surgir após algumas aplicações de produtos de uso tópico, com sintomas típicos como coceira, inchaço e vermelhidão. Tais sintomas podem ser potencializados após a exposição da pele à luz solar”, ressalta a Dra. Maria Inês Harris, Diretora Executiva do Instituto Harris, referência em avaliação da segurança dos ingredientes e produtos cosméticos.

A exposição a fragrâncias intensas pode provocar irritações na pele delicada dos pequenos. Determinados ingredientes podem ser perigosos ou tóxicos. E cada vez mais, os pais se informam e buscam saber mais sobre as substâncias presentes nos shampoos, condicionadores, sabonetes, perfumes, cremes hidratantes e demais itens de uso cosmético para bebês e crianças.

“Os pais estão mais criteriosos. Trocam informações e buscam oferecer o melhor aos seus filhos. Não raro querem cosméticos cruelty-free (sem testes em animais), seguros e mais naturais”, afirma a Dra. Harris.

Há grande especificidade na formulação dos cosméticos e produtos voltados às crianças. A escolha criteriosa dos ingredientes deve ocorrer desde a primeiras etapas do desenvolvimento e formulação, e a segurança precisa estar atestada. O estudo deve se voltar à pele sensível e a um amplo espectro de avaliações relacionadas à sensibilização e tolerância.

Exemplos – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) tem uma cartilha que aborda os cosméticos infantis, especificando que os produtos devem ter baixo poder de fixação e ser facilmente removidos com água. A agência autoriza a produção de cosméticos com gosto amargo, para evitar que as crianças façam a ingestão.

A regulamentação dos esmaltes infantis exige que não sejam adicionados solventes, e que sejam apenas à base de água. “Acetonas e removedores são agressivos à pele, logo, o esmalte desenvolvido para o público infantil deve oferecer uma formulação para que seja removido com maior facilidade, dispensando o uso de qualquer substância tóxica a esse público”, exemplifica a Dra. Harris.

As diretrizes da ANVISA ainda apontam que nenhum cosmético infantil pode ser comercializado em embalagens de aerossol, garantindo maior segurança na aplicação dos produtos.

Sobre a Dra. Maria Inês Harris – Diretora Executiva do Instituto Harris, a Dra. Maria Inês Harris é Química, com Ph.D. em Química (UNICAMP) e Pós-Doutorado em Toxicologia Celular e Molecular de Radicais Livres (UNICAMP) e em Lesões de Ácidos Nucleicos (CNRS, França) e é certificada no curso “Avaliação da Segurança dos Cosméticos na UE” (Universidade de Bruxelas, Bélgica). Atuou como gerente técnica de Pesquisa Clínica na Allergisa Pesquisa Dermatocosmética, gerente de segurança de produtos da Natura e especialista em métodos HPLC (High Performance Liquid Chromatography) na Alcon Laboratórios. Também foi professora do Curso de Especialização em Cosmetologia das Faculdades Oswaldo Cruz (São Paulo) por 19 anos e coordenadora de Pesquisa Institucional da Universidade Bandeirantes (atual Anhanguera) no Brasil. É autora dos livros “Pele – Estrutura, Propriedades e Envelhecimento” e “Pele – do Nascimento à Maturidade”.

Sobre o Instituto Harris – Exclusivamente voltado à avaliação de segurança dos ingredientes e produtos cosméticos – desde seu desenvolvimento até a produção –, assim como à consultoria científica e aos programas de treinamento e capacitação profissional relacionados às Boas Práticas da Fabricação (BPF), o Instituto Harris é referência em serviços de avaliação de riscos. Sua equipe experiente oferece suporte às atividades de criação de ativos e de produtos cosméticos desenvolvidos sob os mais altos critérios de segurança, sem o uso de testes em animais, para empresas nacionais e internacionais. Para mais informações, acesse o site, FB, Instagram e Youtube, ou entre em contato pelo tel. (11) 3129-5398 ou e-mail [email protected].

Fonte: https://www.segs.com.br

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*