quarta-feira , 27 maio 2020
Capa » Mercado & Negócios » BASF registra aumento de 7% nas vendas no primeiro trimestre de 2020

BASF registra aumento de 7% nas vendas no primeiro trimestre de 2020

Vendas de €16,8 bilhões (aumento de 7%), devido, principalmente, ao crescimento dos volumes.

 

As vendas do Grupo BASF no primeiro trimestre de 2020 aumentaram 7%, quando comparadas ao trimestre do ano anterior, alcançando € 16,8 bilhões, fruto de um aumento de 4% nos volumes. A receita operacional antes dos itens extraordinários (EBIT) foi de € 1,6 bilhão, apresentando uma queda de 6% em relação ao primeiro trimestre de 2019. A queda no EBIT antes dos itens extraordinários foi atribuída, sobretudo, às contribuições substancialmente menores dos segmentos de Químicos e Materiais e de Outros.

“O primeiro trimestre de 2020 não foi habitual. O mesmo ocorrerá no segundo trimestre e provavelmente durante o ano todo”, disse o Dr. Martin Brudermüller, Presidente do Conselho Executivo de Administração da BASF SE, na apresentação dos resultados do primeiro trimestre de 2020. “O coronavírus virou o mundo de cabeça para baixo”.  Devido ao ambiente macroeconômico bem conturbado, há uma grande incerteza nos mercados, transformando o planejamento sólido em algo quase impossível no momento. Por isso, não é possível apresentarmos declarações concretas acerca da evolução das vendas e dos lucros em 2020.

Vantagens do portfólio diversificado do Grupo BASF

“O portfólio diversificado da BASF oferece vantagens, principalmente em tempos difíceis”, comentou Brudermüller. “Nem todas as nossas indústrias clientes estão sendo afetadas da mesma forma pela pandemia. Elas mostram diferentes níveis de resiliência nesse cenário. As empresas de produtos farmacêuticos, detergentes e produtos de limpeza ou alimentos, por exemplo, estão tendo uma demanda adicional no momento”. Na BASF, isso fica bem claro com o aumento de pedidos recebidos no segmento de Nutrição e Cuidados Pessoais. A demanda na indústria agrícola também não está sendo muito afetada.

Por outro lado, outras indústrias clientes estão sentindo na pele as consequências da pandemia. Elas estão prejudicadas pela baixa demanda dos clientes finais, sem contar com as paralisações na produção e interrupções na cadeia de suprimentos. O setor de transporte e automotivo está testemunhando os maiores declínios no momento. Brudermüller: “A queda na demanda vinda da nossa principal indústria cliente é o que mais nos atinge hoje.”

Evolução dos lucros nos segmentos da BASF no primeiro trimestre de 2020

Comparado ao trimestre do ano anterior, o EBIT antes dos itens extraordinários nos segmentos de Químicos e Materiais sofreu queda de € 246 milhões, indo para um total de € 383 milhões. As margens mais baixas, de um ano para o outro, na cadeia de valor do etileno e propileno, bem como nos precursores de isocianatos e poliamida, tiveram um impacto negativo substancial nos lucros desses segmentos. Além disso, os custos fixos foram maiores. No segmento de Materiais, o notável crescimento de lucros na divisão de Materiais de Performance conseguiu apenas compensar parcialmente a queda na divisão de Monômeros.

“Mesmo em um ambiente de mercado difícil, observamos melhorias importantes em nossos segmentos downstream“, disse o Dr. Hans-Ulrich Engel, CFO da BASF. “O EBIT antes dos itens extraordinários nesses quatro segmentos aumentou 13% no primeiro trimestre de 2020, atingindo € 1,6 bilhão. O crescimento mais significativo foi observado nos segmentos de Tecnologias para Superfície e Soluções para a Agricultura.”

No segmento de Soluções para a Indústria, o EBIT antes dos itens extraordinários apresentou aumento de 3%, alcançando € 273 milhões. A divisão de Dispersões e Pigmentos registrou lucros expressivamente maiores, principalmente devido aos menores custos fixos, fato que mais do que compensou o ligeiro declínio dos ganhos na divisão de Químicos de Performance. A transferência do nosso negócio de químicos para papel e água para o grupo Solenis, em 31 de janeiro de 2019, foi o principal motivo da queda nos rendimentos da divisão de Químicos de Performance.

O segmento de Tecnologias para Superfície apresentou aumento de 46% do EBIT antes dos itens extraordinários, no primeiro trimestre de 2020, atingindo € 220 milhões. A divisão de Catalisadores registrou lucros expressivamente mais elevados, fruto dos efeitos de valorização no comércio de metais preciosos. Na divisão de Tintas Automotivas, os ganhos caíram consideravelmente devido à menor demanda da indústria automotiva. A redução nos lucros pôde ser parcialmente compensada por preços mais baixos de matérias-primas e custos fixos.

No segmento de Nutrição e Cuidados Pessoais, o EBIT antes dos itens extraordinários aumentou 14%, comparado ao trimestre do ano anterior, alcançando € 254 milhões. Tal fator foi atribuído aos rendimentos consideravelmente maiores na divisão de Nutrição e Saúde. Engel: “Essa divisão abastece indústrias clientes que, em alguns casos, tiveram a demanda aumentada durante a crise. Conseguimos atender a essa demanda em função da maior disponibilidade de produtos, em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior.” Os lucros na divisão de Care Chemicals apresentaram ligeiro aumento, reflexo dos custos fixos mais baixos.

O segmento de Soluções para a Agricultura aumentou em 9% o EBIT antes dos itens extraordinários no primeiro trimestre de 2020, atingindo € 809 milhões. Algo que, em grande parte, foi fruto de maiores vendas, devido à demanda antecipada como consequência da pandemia do coronavírus e de menores custos fixos.

Evolução dos lucros do Grupo BASF no primeiro trimestre de 2020

Comparado ao mesmo trimestre do ano anterior, o EBITDA antes dos itens extraordinários sofreu queda de 2%, indo para € 2,6 bilhões. O EBITDA foi de € 2,4 bilhões, comparado aos € 2,8 bilhões no mesmo trimestre do ano anterior. O EBIT antes dos itens extraordinários foi de € 1,6 bilhão, uma queda de 6% em relação ao primeiro trimestre de 2019. Os itens extraordinários no EBIT totalizaram um decréscimo de € 184 milhões, comparado ao acréscimo de € 29 milhões que tivemos no primeiro trimestre de 2019. Os encargos especiais foram relacionados principalmente à integração do negócio de poliamida, adquirido da Solvay. No primeiro trimestre de 2019, a receita advinda de desinvestimentos fez com que os itens extraordinários líquidos ficassem positivos. Portanto, o EBIT caiu 18% no primeiro trimestre de 2020, indo para € 1,5 bilhão.

A alíquota tributária foi de 26,6%, comparada a 25,3% no trimestre do ano anterior. O lucro líquido totalizou € 885 milhões, em relação a € 1,4 bilhão no primeiro trimestre de 2019. Consequentemente, o lucro por ação caiu para € 0,96 no primeiro trimestre de 2020, em comparação ao valor de € 1,53 do ano anterior. O lucro ajustado por ação foi de € 1,36, comparado a € 1,70 no trimestre do ano anterior.

Evolução dos fluxos de Caixa no primeiro trimestre de 2020

O fluxo de caixa das atividades operacionais totalizou um decréscimo de € 1 bilhão, comparado aos € 373 milhões, registrado no trimestre do ano anterior. Além disso, registrou-se a nítida queda no lucro líquido, atribuída principalmente ao aumento de € 1,2 bilhão no capital imobilizado pelo capital de giro líquido. Os fluxos de caixa das atividades de investimento totalizaram um decréscimo de € 1,8 bilhão, cerca de € 1 bilhão a menos do valor do trimestre do ano anterior. Isso foi atribuído principalmente ao pagamento do preço de compra do negócio de poliamida adquirido da Solvay. Em contrapartida, os pagamentos feitos para ativos intangíveis e imobilizados diminuíram € 172 milhões em um ano.

O aumento significativo dos fluxos de caixa das atividades de financiamento, de € 620 milhões, no primeiro trimestre de 2019, para € 4,3 bilhões, foi fruto da implementação de liquidez adicional como medida de precaução. O fluxo de caixa livre caiu de menos € 368 milhões no trimestre do ano anterior para menos € 1,6 bilhão, resultado de menores fluxos de caixa das atividades operacionais.

 Panorama para 2020 do Grupo BASF

As previsões de vendas e lucros para o ano fiscal de 2020, apresentadas pela BASF em 28 de fevereiro de 2020, não poderão se materializar. Dessa forma, a empresa está anulando as suas perspectivas para 2020. Atualmente é impossível estimar, com segurança, tanto a extensão quanto a disseminação da pandemia do coronavírus, bem como as medidas futuras para contê-la. Assim, neste momento, não podem ser feitas declarações concretas sobre a evolução futura das vendas e lucros.

A BASF espera um enorme impacto em decorrência das consequências econômicas do enfraquecimento global na demanda e queda de produção, principalmente devido às contínuas paradas de produção na indústria automotiva. Os efeitos da pandemia do coronavírus também afetarão outras indústrias clientes. Como resultado, a empresa prevê um declínio significativo nos volumes de vendas no segundo trimestre de 2020. Atualmente, a BASF espera uma recuperação lenta para o terceiro e quarto trimestres de 2020; entretanto, a maneira como a situação se desenrolará é extremamente incerta e imprevisível neste momento.

Assim que for possível a realização de previsões mais sólidas, a BASF irá quantificar suas expectativas em relação à evolução futura das vendas e lucros.

Nessas circunstâncias, os membros do Conselho Fiscal da BASF decidiram renunciar 20% de sua remuneração fixa, de 1º de abril até o final de 2020. Os membros do Conselho Executivo de Administração da BASF irão, voluntariamente, abdicar de 20% de seus salários fixos no segundo trimestre de 2020. Dependendo do curso dos acontecimentos ao longo do ano, outras medidas serão consideradas.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*